Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

É Desporto

É Desporto

Reggie Walker. O primeiro africano a ser campeão olímpico

Especial Jogos Olímpicos (Londres-1908)

Reggie Walker correu de escuro

Mal conseguiu ter dinheiro para viajar da África do Sul até Londres mas, assim que chegou à pista, demonstrou que era um dos principais candidatos a vencer a prova dos 100 metros. Hoje, mais de 110 anos depois, continua a deter duas marcas históricas: uma, impossível de bater, a de ter sido o primeiro africano a conquistar um título olímpico; outra, a de ser o campeão mais jovem do hectómetro. Tinha 19 anos e 128 dias.

Empregado bancário de profissão, Reggie Walker era o campeão sul-africano dos 100 metros. As pessoas olhavam para ele como um forte candidato a representar o país nos Jogos Olímpicos mas chegar a Londres era uma maratona muito maior do que a prova olímpica.

Sem dinheiro suficiente para fazer a viagem, tornou-se o beneficiário de várias campanhas de angariação de dinheiro e eventos de caridade. Todos queriam que Reggie Walker chegasse a Londres e aí pudesse demonstrar o que realmente valia.

O hectómetro era dominado pelos norte-americanos. Os Estados Unidos tinham conquistado o título olímpico na distância em 1896, 1900 e 1904 e voltavam a surgir como principais candidatos. Mas Walker foi o fator-surpresa que veio do hemisfério sul.

A capacidade de Reggie Walker começou a ser demonstrada logo nas eliminatórias, quando estabeleceu a segunda melhor marca entre os 17 participantes. Depois, na meia-final, roubou duas décimas ao seu tempo e igualou o recorde olímpico… que tinha sido estabelecido minutos antes por James Rector.

Os dois tornaram-se, sem grande surpresa, os principais nomes para a final. De um lado, a tradição norte-americana, do outro a excentricidade que vinha de África. O duelo foi memorável: Rector partiu melhor mas Walker reagiu e acabou por vencer, novamente com um tempo de 10,8 segundos e com três metros de vantagem sobre o rival.

Não foi preciso mais para que Reggie Walker se tornasse um dos favoritos da multidão, até pela relação muito próxima entre África do Sul e Grã-Bretanha. Levado em ombros pelo público, mal teve tempo para se aperceber que tinha feito história a dobrar: o primeiro africano a vencer uma medalha de ouro em Jogos Olímpicos e o mais novo de sempre a ganhar os 100 metros.