Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

É Desporto

É Desporto

Matti Järvinen. O finlandês que passeou no lançamento do dardo

Especial Jogos Olímpicos (Los Angeles-1932)

Matti Järvinen

Filho de atleta olímpico medalhado e irmão de atleta olímpico medalhado, Matti tornou-se o melhor desportista da família Järvinen com um desempenho esmagador no lançamento do dardo durante os Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1932. A medalha de ouro nunca esteve em risco: qualquer um dos cinco lançamentos que fez seriam suficientes para terminar no primeiro lugar.

Primeiro veio Verner Järvinen, nascido em abril de 1870. O atleta de sangue azul representou a Finlândia nos Jogos Olímpicos de Londres, em 1908, e garantiu uma medalha de bronze no lançamento do disco. Depois, em 1928, foi a vez de Akilles Järvinen, o segundo filho, fazer a diferença em Jogos e ganhar a medalha de prata no decatlo em Amesterdão.

Quatro anos depois, os descendentes da família Järvinen viajaram para Los Angeles em peso. O mais velho, Kalle, participou no lançamento do peso mas não foi além do 12.º lugar. O do meio, Akilles, repetiu a proeza de Amesterdão e reconquistou a medalha de prata. O mais novo, Matti, teve um desempenho absolutamente irrepreensível e garantiu a tão ansiada medalha de ouro para os Järvinen, no lançamento do dardo.

A disciplina continua a ter na Finlândia a sua grande potência praticamente 100 anos depois, mas dificilmente poderá haver uma prova olímpica com uma demonstração de supremacia tão grande como a de Matti Järvinen em Los Angeles. Campeão olímpico com uma marca de 72,71 metros, fez um total de cinco lançamentos sempre acima dos 70 metros que serviriam para terminar com a medalha de ouro. O segundo classificado, o seu compatriota Matti Sippala, não foi além dos 69,80 metros e a medalha de bronze foi para outro finlandês, Eino Pentillä, com 68,70 metros.

Matti Järvinen tornou-se uma das figuras olímpicas mais famosas da Finlândia e foi devidamente homenageado no processo de construção do Estádio Olímpico de Helsínquia, que acolheu a prova em 1952. A torre do estádio está precisamente a 72,71 metros de altura, recordando a marca com que o título foi alcançado em 1932.

A superioridade do finlandês não chegou a Berlim, em 1936, mas foi nesse ano que bateu o recorde do mundo da disciplina pela última vez, com um total de 77,23 metros. A acompanhá-lo durante todo este período houve uma curiosidade: Matti competia sempre com calças de fato de treino e nunca de calções.