Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

É Desporto

É Desporto

Simone Biles. A vida mudou com um telefonema

Simone Biles tem 19 anos/SPORTSILLUSTRATED

Tem 19 anos e vai estrear-se nos Jogos Olímpicos mas é a favorita incontestável na ginástica artística. Tudo começou quando a dependência de álcool e drogas da mãe fez com que fosse adotada pelo avô aos três anos. «Às vezes questiono como seria a minha vida se nada disto tivesse acontecido», diz.  

Kohei Uchimura. Desenhar foi o caminho para a perfeição

Kohei Uchimura/MATTHIAS SCHRADER

É a figura incontornável da ginástica masculina. Distraiu-se ao ponto de ter de pagar 4372 euros por estar a jogar Pokémon Go com dados móveis mas em prova ninguém o bate desde 2008. Avesso a ser tocado por outros, desenhava numa folha os movimentos antes de os repetir até atingir a perfeição. O japonês entra hoje em ação.  

Heba Allejji. A síria que fará história no ténis de mesa

Heba Allejji/ITTF

Tem 19 anos, recebeu uma vaga do Comité Olímpico Internacional para participar no Rio de Janeiro e será a primeira síria na história a competir no ténis de mesa. A atleta resiste à guerra civil em Damasco e só tem um objetivo: «Mostrar que ainda somos capazes de jogar e treinar na Síria».  

Luz Long. O alemão que desafiou Hitler e ajudou Jesse Owens

Luz Long com Jesse Owens/BILD

Percebeu que tinha um conselho que podia ajudar Owens a ultrapassar a qualificação no salto em comprimento e arriscou. Não foi além da medalha de prata mas ficou imortalizado pela história de desportivismo e pela medalha Pierre de Coubertin. Morreu a combater pela Alemanha Nazi durante a invasão dos Aliados na Sicília, em 1943. 

Nigéria. Nunca as Águias foram tão Super

Festa nigeriana no relvado/FIFA

Faz hoje 20 anos. A geração de luxo da Nigéria chegou aos Jogos Olímpicos de Atlanta de forma discreta e saiu com o título olímpico de futebol, o primeiro na história de uma seleção africana. Na memória, ficam as reviravoltas épicas contra Brasil e Argentina num ano que tinha começado de forma difícil. 

Maggie Nolting. Correr uma meia-maratona com dois apoios extra

Maggie Nolting cruza a meta/INSTAGRAM@maggiereiss

Partir um pé não foi mais do que uma pedra no caminho que Maggie Nolting queria percorrer, por isso fez questão de participar na meia-maratona do Nevada. O tempo não foi o melhor mas ainda assim deixou 43 participantes para trás. É uma história de superação. 

Pág. 3/3