Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

É Desporto

É Desporto

Claressa Shields. Não há razão para olhar para trás

Claressa Shields em Londres

Foi campeã olímpica no boxe com 17 anos e quer revalidar o título no Rio. O pai esteve preso durante sete anos, o irmão mais velho ainda está e a mãe é toxicodependente. Durante oito meses, cumpriu o sonho de ser mãe ao adotar a bebé da prima… até se desentenderem. Apesar de tudo, o sonho continua a ser o mesmo: tornar-se profissional.  

Ans Botha. A "Moniz Pereira" da Namíbia

Ans Botha com Wayde van Niekerk/GALLO

Está a três meses de fazer 75 anos e já tem quatro bisnetos. No Rio de Janeiro, viu o seu pupilo Wayde van Niekerk bater o recorde mundial dos 400 metros. E sempre, sempre, com uma disciplina de ferro. «Para ela, chegar cinco minutos antes da hora é chegar atrasado», diz o sul-africano. 

Mariya Koroleva. O objetivo era falar melhor inglês

Mariya Koroleva

Nasceu na Rússia mas emigrou para os EUA, com nove anos, por causa do trabalho do pai. A vontade de se integrar levou-a para a natação sincronizada e hoje, 17 anos depois, está pela segunda vez nos Jogos Olímpicos. «Não é de quatro em quatro anos, é todos os dias.» 

Valerie Adams. Definir o futuro enquanto a mãe morria

Valerie Adams

«Na noite da cerimónia de abertura deram-lhe morfina, por isso estava a dormir. No dia seguinte, 16 de setembro, morreu às nove da manhã. Depois, continuei a ver os Jogos Olímpicos e decidi-me: ‘Quero estar ali!’» Hoje, vai tentar o terceiro título olímpico no lançamento do peso. 

Oksana Chusovitina. A ginasta que tem idade para ser mãe das adversárias

Oksana Chusovitina nos Jogos de Londres/AFP

O Rio de Janeiro marca a sétima participação olímpica da atleta que nasceu no Uzbequistão mas que também já competiu pela União Soviética, Comunidade dos Estados Independentes e Alemanha. Tem 41 anos e não há nada que o desporto não lhe tenha dado, inclusive o casamento. O que faz, faz por amor.