Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

É Desporto

Arsène Who? Quando a vida ainda sorria a Wenger

gala.jpg

Arsenal regressa esta noite à Taça UEFA/Liga Europa 17 anos depois. A 17 de maio de 2000, Bergkamp, Henry e companhia caíram na final de Copenhaga contra a banda de Hagi. Brilharam Popescu e Taffarel. Os gunners vão voltar a disparar na segunda divisão europeia.  

 
O início de uma geração
 
Há quem diga que mudou o futebol inglês. Basta ver alguns vídeos para acreditar nesta tese. Por muito que se jogasse bem naquele United de Ferguson, com e depois de Cantona, o estilo era muito britânico. Beckham a meter olhos na bola, com as cabeças de Andy Cole e Yorke como destino final; Scholes, o mais dotado no passe curto e longo, e depois Giggs, com correrias e lances de génio. Keane, bom, Keane era o porteiro da discoteca que tocava boa música. Seja como for, o homem que chegou em 1996 trazia ideias boas do Japão.
 

Depois de vencer o campeonato com o clube da terra, o Estrasburgo (1979), Wenger repetiu o feito com o Monaco, em 1988. Curiosamente, o seu melhor marcador foi um inglês: Mark Hateley (14 golos). Ficou a cinco de um tal de Jean-Pierre vien ici. Ou Papin. Continuando na brincadeira dos pichichis, em 1979 os melhores marcadores da Ligue 1 falavam a língua de Carlos Gardel: Carlos Bianchi (PSG, 27) e Delio Onnis (Monaco, 22). Carlos Bianchi, o treinador, é uma das figuras mais importantes do Boca Juniors. Wenger anda nisto há uns aninhos...

 

Voltando ao percurso do francês. Chegou em 1996 e um jornal até perguntou «Arsène Who?», mas não demoraria muito tempo a convencer os londrinos. Começou por ir buscar Anelka e Patrick Vieira. Na época a seguir, com Petit, Overmars e Boa Morte, meteu a Premier League no bolso, com mais um ponto do que Manchester United, e ainda venceu a FA Cup (vs. Newcastle, 2-0). Não esquecer que Bergkamp, o génio holandês que tinha medo de andar de avião, já chegara a Londres em 1995. 

O conto de fadas continuou com as vitórias na Supertaça Inglesa (1998 e 1999). Ou seja, três anos, quatro troféus. Not bad, hein? Claro que estaria para chegar o campeonato em que seria invicto (2004), ou mais uma Premier League (2002), e mais seis Taças de Inglaterra (2002, 2003, 2005, 2014, 2015, 2017)... Mas um dos pontos mais altos daquela aventura, curta até então, e que também incluiu a final da Champions em 2006 perdida para o Barcelona, foi a final da Taça UEFA em 2000, contra o Galatasary de Popescu e Hagi.

 
Ninguém teve arte e engenho para marcar um golo naquela noite em Copenhaga. Fatih Terim acabaria por sorrir e ganhar o braço de ferro com Arsène Wenger, depois de vencer por 4-1 em penáltis. Davor Suker e Patrick Vieira falharam para os gunners. Popescu marcou o penálti decisivo. E Hagi, que tal? Viu o cartão vermelho na mão do espanhol Antonio López Nieto, aos 94'.
 

Arsenal: David Seaman, Dixon, Tony Adams, Martin Keown, Sylvinho, Ray Parlour, Emmanuel Petit, Patrick Vieira, Marc Overmars, Thierry Henry, Dennis Bergkamp

Galatasaray: Cláudio Taffarel, Capone, Gheorghe Popescu, Bülent Korkmaz, Ergün Penbe, Okan Buruk, Ümit Davala, Suat Kaya, Gheorghe Hagi, Arif Erdem, Hakan Şükür

 
Esta lengalenga toda para dizer que o Arsenal regressa esta noite à Taça UEFA ou Liga Europa sensivelmente 17 anos depois. O adversário desta noite no Emirates é o Colónia (20h05). O Grupo H é composto ainda por Bate Borisov e Estrela Vermelha. Naquela altura, apesar da derrota contra os turcos, a vida de Wenger corria bem. O regresso à segunda divisão europeia, tantos anos depois, é a metáfora perfeita para resumir a viagem do francês em Londres...
HTS