Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

É Desporto

Arnold Palmer. O adeus do Rei

palmer1.jpg

Foi uma das primeiras grandes figuras do golfe e conquistou sete majors durante uma carreira em que dividiu louros com Gary Player e Jack Nicklaus. Tinha duas grandes paixões na vida: jogar golfe e pilotar aviões. Morreu ontem aos 87 anos. 

 

O sinal do fim

 

«A Winnie [primeira mulher de Arnold] disse-me uma vez: ‘Quando o Arnold deixar de voar o seu avião e deixar de ter a capacidade de dar uma tacada, não ficará connosco por muito tempo'», conta James Dodson, o biógrafo do antigo golfista.

 

Arnold Palmer era assim. Uma pessoa dedicada às suas paixões. A do golfe, onde se fizera homem e famoso por todo o mundo, e a dos aviões, com direito a ter um pequeno aeroporto batizado com o seu nome (Latrobe, Pensilvânia).

 

Vencedor de sete majors durante a carreira, com destaque para os quatro Masters em anos intercalados (1958, 1960, 1962 e 1964), Palmer morreu aos 87 anos em Pittsburgh, na Pensilvânia, enquanto aguardava por uma operação ao coração.

 

Início da lenda

palmer11.jpg

O golfe sempre fez parte da sua vida. O pai, Milfred, era responsável por cuidar do percurso do Latrobe Country Club, na Pensilvânia, e fazia questão de levar o pequeno Arnold consigo.

 

Ao crescer naquele ambiente, não resistiu à tentação e apaixonou-se. Com uma bolsa universitária em Wake Forest, interrompeu os estudos para se alistar na Guarda Costeira dos Estados Unidos. Quando voltou à universidade, três anos depois, o talento do golfe não o tinha abandonado, como se comprova pela vitória no campeonato norte-americano amador de 1954.

 

Tinha 24 anos e trabalhava a vender tinta em Cleveland. Tinha deixado a Guarda Costeira há sete meses e decidiu entrar no torneio. E venceu. «Aquela vitória foi o ponto de viragem na minha vida. Deu-me a confiança necessária para acreditar que podia competir ao mais alto nível», explicou.

 

Nas tintas para a tinta

 

O triunfo fez com que Arnold Palmer esquecesse a profissão que tinha. A paixão pelo golfe estava viva e, como se prova pelo resultado, recomendava-se. Torneio após torneio, percebia que aquela seria a sua carreira e a 17 de novembro de 1954 anunciou que seria profissional.

 

Como estava o golfe em 1954? Bom, claramente não havia ainda Tiger Woods. Nem nenhum dos grandes nomes da segunda metade do século XX. O sul-africano Gary Player só venceria o primeiro major (The Open) em 1959 e Jack Nicklaus estreou-se em triunfos no US Open em 1962.

 

O trio alimentou o interesse pelo golfe de forma inaudita e os resultados acompanhavam: juntos, conquistaram 34 majors (além dos sete de Palmer, nove para Player e 18 para Nicklaus).

 

Cada tacada era um poema

 

arnold.jpg

Arnold Palmer estava apaixonado pelo golfe. «O que outros encontram na poesia, eu descubro no voo que uma bola faz no ar durante a pancada inicial», garantia.

 

Não era segredo para ninguém que o norte-americano gostava de voos. Fossem da bola ou de aviões. No entanto, a paixão pelos segundos apenas surgiu devido ao medo que tinha voar. Foi esse receio que o fez tirar o brevet e somar milhares de horas de voo até 2011, com 82 anos.

 

Para a imprensa da época, Arnold Palmer era uma figura ímpar da modalidade. A frase é do colunista do LA Times, Jim Murray: «Palmer num campo de golfe estava como o Jack Dempsey com o rival encostado às cordas, como o Hank Aaron com uma bola rápida no basebol, como o Rod Laver com um set point, o Joe Montana com apenas um minuto para jogar ou o AJ Foyt com uma volta para o fim e um carro para apanhar.»

 

Era assim. Decisivo. Letal. Quando mais importava, parecia encontrar a pancada que mais precisava, como quando aos três anos, nas mãos do pai, ouviu as primeiras palavras de motivação, qual Ronaldo a falar com Moutinho: «Vamos, bate com força! Depois vai à procura dela e volta a bater com força!»

 

Feitos e glórias

palmer.jpg

Foi o primeiro golfista a ganhar mais de cem mil dólares numa temporada. Venceu a Ryder Cup como capitão em duas ocasiões. Inspirou gerações de jogadores, deu nome a uma das provas mais importantes do circuito PGA (Arnold Palmer Invitational) e até batizou uma bebida: porções iguais de limonada e de chá gelado de limão.

 

Em 1974, entrou para o Hall of Fame do golfe mas continuou a jogar, aparecendo aqui e ali em algumas provas. A última prova em que participou, no circuito sénior, foi em 2006, já com 77 anos.

 

A nível nacional, foi distinguido com os dois reconhecimentos mais importantes que podem ser feitos a um civil: a medalha dourada do Congresso e a medalha presidencial de liberdade.

 

Traído pela saúde

 

Com a simples alcunha de King, Arnold Palmer enfraqueceu. Foi substituído por príncipes. Desde 2015, os problemas de saúde intensificaram-se e as aparições públicas mostravam um corpo cada vez mais fraco, usado pela vida e atraído pela morte.

 

Nos últimos dias, estava internado num hospital de Pittsburgh à espera de uma operação ao coração que nunca chegou.

 

RPS