Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

É Desporto

Ester Ledecka. O improviso que chocou o esqui alpino

ledecka1.jpg

Checa tem dois títulos mundiais no snowboard mas foi no esqui alpino que venceu a primeira medalha de ouro olímpica. Quando já ninguém o esperava, surpreendeu o mundo, interrompeu as celebrações que já existiam e somou um outro pequeno triunfo: contra todos os treinadores que lhe disseram que não ia conseguir conciliar duas modalidades. 

A pedagogia do último lugar de Germán Madrazo nos Jogos Olímpicos

madrazo.jpeg

Os Jogos Olímpicos promovem cada vez mais a inclusão de novos países mas neste caso acabaram por ter um exemplo de uma inclusão ainda mais importante. Germán Madrazo e os Fantásticos Cinco são heróis por terem ajudado a mostrar que o desporto é de todos e deve ser para todos, sem fronteiras nem espaço para a estigmatização do último. E que a vitória de uns não tem de ser a mesma que a vitória de outros.  

Germán Madrazo. A festa dos últimos que personifica o espírito olímpico

madrazo.jpg

Mexicano aprendeu a esquiar com 42 anos e chegou a PyeongChang-2018 com 43. Foi o último por larga margem, nos 15 km de cross-country mas acabou como maior protagonista do melhor exemplo de espírito olímpico. À chegada, tinha à sua espera os últimos quatro a chegar e acabou levado em ombros.  

Família Dukurs. A maldição do quarto lugar no skeleton

dukurs.jpg

PyeongChang-2018 marcou a terceira edição consecutiva dos Jogos Olímpicos de Inverno em que um dos irmãos da família Dukurs da Letónia terminou a prova de skeleton na posição à porta do pódio. Recentemente julgou-se que podia haver uma recompensa a caminho mas tudo não passou do papel. 

Ted-Jan Bloemen. Holandês ganhou asas com as cores do Canadá

bloemen.jpg

Concorrência impediu que patinador pudesse evoluir da forma desejada quando competia pela Holanda. Depois de falhar a qualificação para Sochi-2014, decidiu mudar de cores e a recompensa chegou: foi campeão olímpico pelo Canadá nos dez mil metros da patinagem de velocidade em PyeongChang-2018. 

Jaqueline Mourão. A brasileira que é pau para toda a obra

jaque.jpg

O passaporte da atleta de 42 anos soma selos olímpicos: Atenas-2004, Turim-2006, Pequim-2008, Vancouver-2010, Sochi-2014 e PyeongChang-2018. Nunca esteve perto de ganhar uma medalha mas são poucos os que podem dizer que têm experiência em três modalidades olímpicas: mountain bike, cross country (esqui) e biatlo.